Mindstorm: um brinquedo educativo para aprender programação
Mindstorms - um brinquedo realmente divertido

Mindstorm: um brinquedo educativo para aprender programação

Brinquedo educativo na minha época eram um porre de usar. Isso acontecia por um fato muito simples, eles NÃO eram divertidos. Lembro perfeitamente de um brinquedo chamado Tangram que usavam na escola para incentivar o pensamento lógico (eu odiava). No entanto, hoje as coisas mudaram, temos a possibilidade de criar um robô e dar vida a ele, como isso não pode ser divertido?

 O que é o Lego Mindstorms?

Esse brinquedo educativo foi feito pela empresa LEGO e visa dar a criança a capacidade de criar robôs e programá-los.  A série de kits Lego Mindstorms contém software e hardware para criar robôs customizáveis ​​e programáveis. Eles incluem um computador de peças inteligentes que controlam o sistema, um conjunto de sensores e motores modulares e peças Lego da linha Technic para criar os sistemas mecânicos. As raízes de hardware e software do kit Mindstorms Robotics Invention System apontam para a primeira peça programável criado no MIT Media Lab. O primeiro ambiente de programação visual foi chamado LEGOsheets, uma vez que foi criado pela Universidade do Colorado em 1994 com base em AgentSheets.

 
O kit original do sistema Invenção Robotics Mindstorms continha dois motores, dois sensores de toque e um sensor de luz. A versão NXT possui três servo-motores e uma luz, som e distância, bem como um sensor de 1 toque. O NXT 2.0 possui 2 sensores de toque, bem como um sensor de luz e distância e suporte para 4 sem usar um multiplexador de sensor. Lego Mindstorms pode ser usado para construir um modelo de sistema embutido com peças eletromecânicas controladas por computador. Muitos tipos de sistemas incorporados da vida real, desde controladores de elevadores até robôs industriais, podem ser modelados usando Mindstorms.
 
Os kits Mindstorms também são vendidos e usados ​​como uma ferramenta educacional, originalmente através de uma parceria entre a Lego e o MIT Media Laboratory. A versão educacional dos produtos é chamada Lego Mindstorms for Schools e vem com o software de programação ROBOLAB GUI, desenvolvido na Tufts University usando o National Instruments LabVIEW como motor. Além disso, o software enviado pode ser substituído por firmware de terceiros e / ou linguagens de programação, incluindo alguns dos mais populares utilizados por profissionais na indústria de sistemas embarcados, como Java e C. Uma das diferenças entre a série educacional, conhecida como o “Challenge Set”, e a série de consumidores, conhecida como “Inventor Set”, é que inclui outro sensor de toque e várias outras opções de engrenagem.
 
A versão vendida através do LEGO Education é projetada para um nível mais profundo de aprendizagem ou ensino que muitas vezes acontece em uma sala de aula ou ambiente escolar. A versão LEGO Education vem com o suporte chamado Robot Educator. Isso inclui 48 tutoriais para orientar o aluno através dos conceitos básicos de codificação para conceitos mais sofisticados e complexos, como o registro de dados. Este recurso para apoiar o aluno e/ou educador não está incluído na versão comercial de Mindstorm. A versão de varejo foi projetada para mais de um uso doméstico/brinquedo, contra o modelo de educador que foi projetado para suportar uma aprendizagem mais profunda com recursos extras e peças para fazê-lo. É por isso que o LEGO Education Mindstorm contém mais sensores e peças do que a versão de varejo.
 

É possível um robô tocar violão?

 
O nosso vídeo de hoje mostra uma implementação muito interessante para Mindstorms. Ela é capaz de reproduzir uma música obedecendo sua melodia e espaços de pausas entre outros.
 
 
Agora aprecie o robô:
 

Problemas

Um dos grandes problemas do brinquedo educativo Mindstorms é o preço. Ele está disponível no Brasil para compra e pode ser encontrado facilmente em lojas como a Americanas.com.
 

Caso você não se importe em pagar entre 2 e 6 mil reais nesses brinquedos são excelentes investimentos.

 
 

Projetos

 
Alguns projetos nasceram dentro das universidades para apoiar o ensino de programação para crianças e adolescentes. A UTFPR, por exemplo, possui o grupo ELLP que atua no norte do Paraná realizando oficinas para crianças carentes. Além disso, existem escolas particulares que também apoiam o uso dessa ferramenta como recurso didático, a Happy Code é um exemplo.

Vinicius dos Santos

Apenas um apaixonado por Ciência da Computação e forma com que ela pode transformar vidas!

Deixe uma resposta